terça-feira, 25 de novembro de 2008

História de Pirituba

O bairro de Pirituba deve sua origem no século XIX, à existência de grandes fazendas de café, sendo os principais - a fazenda Barreto, de propriedade do médico paulistano Luiz Pereira Barreto, a Fazenda do brigadeiro Tobias e a Fazenda Jaraguá. Com grande influência política dos fazendeiros e a grandeimportância do café, construíram a estação para receber os carregamentos de café que se destinavam ao porto de Santos. O nome da estação foi dada de Pirituba, o resultado do nome de "Piri", que significa vegetação de brejo e com o aumentativo "Tuba", que na língua tupi significa" muito".

Com a deslocação do café para a zona paulista, ocorreu a decadência das Fazendas. Com a morte do seu proprietário em 1922, a Fazenda Barreto foi partilhada entre seus herdeiros, nesse ano foi loteada uma partilha da Fazenda e em 1926, foi loteada uma segunda partilha. Essas duas vilas, somadas ao núcleo inicial que se desenvolveu ao lado da estação, vieram a se constituir no núcleo principal de desenvolvimento do bairro e no seu centro geo - econômico.

Posteriormente , outras partes da Fazenda Barreto foram loteadas dando lugar a formação de novas vilas, como a Vila Bonilha, Vila Zatt, Vila Maria Trindade, Vila Mirante e Jardim São José. A Fazenda do Brigadeiro Tobias foi adquirida em grande parte pelo frigorífico Armour do Brasil que as arrecadou, antes da segunda guerra mundial, a colonos japoneses e, após aquela, utilizou-as para a plantação de eucaliptos, destinados ao consumo de suas caldeiras.

Com uma população de aproximadamente 400 mil habitantes, Pirituba é um dos bairros mais populosos de São Paulo. Ocupa uma área de 31,84 km² e está localizado na zona Norte a 13 km da Praça da Sé. O território de Pirituba limita-se ao sul com as margens do Rio Tietê, ao norte com Jaraguá e Perus, a leste com o distrito da Freguesia do Ó e a oeste com a Via Anhangüera.

Pico do Jaraguá ainda guarda tesouros

O local onde está o Parque Estadual do Jaraguá era uma grande fazenda, que teve diversos donos até ser adquirida pelo governo estadual em 1940. O parque foi constituído em 1961, como área de conservação, e tombado em 1994 pela Unesco, como patrimônio da humanidade. São 493 hectares de área, dos quais 34 hectares dedicados ao turismo. Além do Pico do Jaraguá, com 1.135 metros de altitude, há o do Papagaio, com 1.127 metros.

O parque é uma das principais áreas remanescentes de Mata Atlântica, com diversas variedades de plantas – com destaque para bromélias e orquídeas – e animais – como macacos, pássaros, cobras e até uma espécie de morcego ameaçada de extinção.

A estrutura do parque conta com lanchonetes, pátios, mirantes, quiosques, além de trilhas para os mais dispostos a aventuras. No sopé, o casarão de Afonso Sardinha foi reformado e transformado em albergue. Lá, ainda se encontra um tanque para lavagem de ouro, testemunha da história do Pico.

História que é misturada na paisagem às antenas de rádio e televisão. Os transmissores foram instalados na década de 1950, mas boa parte está desativada, devido às mudanças tecnológicas. Ainda assim, o local é um ponto importante para retransmissão de sinal para o interior paulista e Rio de Janeiro, além de sistemas de rádio-comunicação das polícias civil e militar, Exército e outros.

A chegada ao parque é feita pela Estrada Turística (acesso pelo km 18 da Via Anhangüera). Prefeitura e governo do Estado estão fazendo estudos para reformar, em parceria, a estrada. O parque está aberto para visitação de terça-feira a domingo, das 8h às 17h, com entrada gratuita.