terça-feira, 25 de novembro de 2008

Pico do Jaraguá


O pico do Jaraguá é o ponto culminante da cidade de São Paulo, elevando-se a uma altitude de 1.135 metros. Situa-se no extremo oeste da serra da Cantareira. Nos seus arredores foi criado o Parque Estadual do Jaraguá, para conservação da área.

O seu cume pode ser acessado através de uma via asfaltada. No topo, há duas grandes antenas, sendo uma de televisão, e pequenas instalações comerciais e locais destinados a estacionamento de veículos.

Ao se atingir o topo, tem-se uma visão principalmente da parte oeste da Grande São Paulo. Também pode ser avistado Rodoanel Mário Covas, na parte posterior. Junto à antena de televisão, existe uma grande escadaria que permite subir ainda mais, ladeada por um bondinho que se destina ao transporte de pessoas e materiais para manutenção da antena.

As primeiras notícias que se tem do local é que nele estava estabelecido o português Afonso Sardinha, caçador de índios, traficante, que descobriu vestígios de ouro no ribeirão Itaí, no pico, por volta de 1580. No entanto, como os índios dominavam a região, travaram-se numerosas guerras contra os nativos da terra. A mineração, portanto, só teve início dez anos depois. O ouro do Jaraguá foi explorado até o esgotamento, no século XIX. Os garimpeiros deixaram visíveis marcas de sulcos e escavações nas rochas do pico.

Em 1946, a Prefeitura de São Paulo transformou o pico do Jaraguá em ponto turístico da cidade. Em 1961, foi criado o Parque Estadual do Jaraguá, onde os visitantes podem conhecer as pias de lavagem manual do ouro ao lado das ruínas do grande casarão do próprio Afonso Sardinha. Esse parque foi tombado pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico) em 1983.
Em 1994, o Parque Estadual do Jaraguá foi tombado pelo Patrimônio da Humanidade pela Unesco, passando a integrar a Zona Núcleo do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo, Reserva da Biosfera.
Ainda hoje existem na entrada do Parque do Pico do Jaraguá uma aldeia formada pelos descendentes de tribos indígenas que moram no local, porém estão em total estado de penúria.

Aldeia do Jaraguá Ytu

A Aldeia do Jaraguá Ytu teve início na década de 60 com a chegada ao local da família de Joaquim Augusto Martins e sua esposa, dona Jandira Augusta Venício (atual Cacique).

A aldeia subdivide-se em “parte de baixo” e “parte de cima”. A de baixo é a mais antiga e onde moram a Cacique Jandira e seus filhos, noras, genros e netos. É um local histórico da onde já foi extraído ouro. A Estrada turística divide os lotes de terra. “a parte de cima” ainda não está regulamentada em nome dos indígenas, lá vivem 160 pessoas, sendo 53 crianças. Todos vivem em extrema pobreza pedindo esmolas nas feiras-livres dos bairros adjacentes

Em 1997 a aldeia recebeu a visita do sertanista Orlando Villas Bôas. Orlando levou alguns índios para um colégio da região, fez uma palestra, contou muitas histórias e respondeu perguntas de alunos.
A aldeia mantém a língua e os costumes guaranis e sobrevive do artesanato.


Trilhas

O parque contém oito trilhas, no entanto hoje em dia apenas uma trilha está aberta ao publico, a Trilha do Pai Zé. As outras estão fechadas para recuperação natural e poderão ser reabertas após avaliação. Algumas dessas trilhas estão em locais perigosos onde já ocorreram acidentes graves, recomendando-se não se aventurar fora das trilhas abertas ao público.
Existe uma estrada asfaltada que leva ao pico com a extensão de 5.356 metros de comprimento, que inicia na rodovia Anhangüera e termina no topo do pico, essa estrada se denomina Turística do Jaraguá.

Localização

O pico do Jaraguá se encontra na estrada turística do Jaraguá, que se liga à rodovia Anhangüera no km 18.
A chegada ao parque é feita pela Estrada Turística (acesso pelo km 18 da Via Anhangüera). Prefeitura e governo do Estado estão fazendo estudos para reformar, em parceria, a estrada. O parque está aberto para visitação de terça-feira a domingo, das 8h às 17h, com entrada gratuita.